nicodemos1Textos: 2 Cro 36, 14-16.19-23; Ef 2, 4-10; Jo 3, 14-21

Ideia principal: O pecado, o nosso pecado, ademais de quebrar a Aliança com Deus, é a causa de todas as desgraças pessoais, sociais, estruturais, eclesiais, familiares e mundiais. Mas a misericórdia de Deus é maior do que o nosso pecado.

Síntese da mensagem: Estamos praticamente na metade da Quaresma. É bom que também nós, fracos e volúveis talvez como os israelitas, nos espelhemos na sua história para nos decidir a uma séria conversão e emenda dos nossos pecados para poder participar plenamente na Páscoa do Senhor.

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, somos pecadores. Ai está a primeira leitura de hoje onde Deus joga na nossa cara com o chicote da sua misericórdia –como o papa Francisco disse no domingo passado- as nossas infidelidades, a nossa vida mundana, os nossos maus jeitos, as nossas burlas, para nos corrigirmos e voltarmos ao bom caminho, com o auxílio de mensageiros e profetas que Ele nos manda continuamente através da sua Palavra, do Papa, dos nosso confessor, familiares, amigos. Quaresma é tempo de uma revisão espiritual, de fazer um nós uma ressonância magnética da alma e dos nossos afetos mais íntimos para ver se temos algum indicio de câncer, diabete, mau colesterol. Ainda estamos a tempo de tomar os remédios e os antibióticos necessários para nos curar, de tomar as vacinas para prevenir as febres altas e perigosas. Quais pecados ameaçam mais a nossa vida? Soberba e os seus filhotes: egoísmo, vaidade, orgulho, amor próprio, dureza de juízo, impaciência, autossuficiência, rancor, desejo de vingança, impor as nossas ideias, desânimo, juízos temerários, indiferença diante das necessidades dos demais, inveja, racionalismo, espírito calculista, respeito humano, farisaísmo e mentira, rebeldia, caprichos e manias, individualismo? Ou tudo o contrário, me ameaçam a sensualidade e os seus filhotes: comodidade, frouxidão, sentimentalismo, busca do fácil e que traz prazer, abuso e descontrole dos sentidos, impureza e luxúria consentida e alimentada, gula, sonhos mundanos, pusilanimidade, ociosidade, inconstância, tibieza, apatia, abandono da oração, falta de pontualidade nos nossos trabalhos, pessimismo, insatisfação, fuga do sacrifício, gula, avareza? Façamos uma séria revisão e obremos em consequência, se quisermos chegar preparados à Páscoa do Senhor.

Em segundo lugar, pecadores, sim, mas também redimidos, pois a misericórdia, a generosidade e o amor de Deus são infinitos (2a leitura). Esta redenção não é mérito nosso, mas pura graça divina. O amor que Deus tem por nós em Cristo Jesus é prévio a todos os nossos méritos e superior a todos os nossos desmerecimentos. Já no Antigo Testamento manifestou este amor, inclusive se teve que castigar e corrigir o seu povo, quando o tirou da escravidão do Egito e mais tarde o fez voltar do cativeiro. Na primeira leitura escutamos como Deus mexeu com o coração do rei Ciro-também mexerá com o coração dos nossos reis e presidentes e chefes de Estado?-, que permitiu os israelitas voltarem para Jerusalém e reconstruir a sua nação e o seu Templo- também os nossos chefes de Estado respeitarão a nossa religião e nos permitirão dar culto a Deus sempre e em todos os lugares e ensinar a lei de Deus e da Igreja nas escolas, sem imiscuir-se em questões que não lhes competem e apoiando sempre o que dignifica a pessoa humana?-. Porém é, sobretudo, no Novo Testamento, onde Deus fez que nós experimentássemos a sua ternura e misericórdia, pois “tanto amou Deus o mundo que lhe entregou o seu Filho Unigênito” e todos se salvem (evangelho).

Finalmente, redimidos, sim, mas em continua conversão, pois o tentador nos cerca dia e noite para voltarmos ao pecado. Temos que olhar para Cristo na cruz para nos curar das picaduras das serpentes venenosas que nos atacarão dia e noite (evangelho). Olhando a cabeça de Cristo na cruz coroada de espinhos, curarão e se purificarão os nossos maus pensamentos. Olhando o rosto desfigurado e batido de Cristo na cruz, curarão os nossos desejos de vaidade ridícula. Olhando os olhos inchados de Cristo na cruz, os nossos olhos se fecharão diante das indecências. Olhando a boca resseca de Cristo, saberemos dominar o nosso desenfreio de gula e a espada das fofocas. Olhando as mãos perfuradas de Cristo na cruz, desaparecerão as nossas ambições e desejos de ter e possuir. Olhando o lado perfurado de Cristo na cruz, os nossos ódios se converterão em perdão. Olhando os joelhos marcados de Cristo na cruz, crescerá o nosso desejo de nos ajoelhar e orar sem cessar. Olhando os pés de Cristo pregados na cruz, poderemos reparar os nossos pecados por ter caminhado por trilhas de morte. Olhando, enfim, todo o corpo de Cristo esmagado e açoitado, desaparecerá a vontade que temos de viver no conforto, na comodidade, nos prazeres e nos luxos.

Para refletir: Quais pecados desfiguram a imagem de Deus na minha alma? Aproximar-me-ei à confissão antes de entrar na Semana Santa, para pedir perdão a Deus pelos meus pecados?

Para rezar: Senhor, piedade e misericórdia: pequei contra Vós. Senhor, dai-me a graça da conversão. Senhor, fazei-me partícipe da vossa Páscoa.

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail: arivero@legionaries.org

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C.

Share Button
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2014 Apostolado Brasileiro | Unindo Católicos Brasileiros na Grande Boston.
Siga-nos:                   

Facebook