envioCiclo B

Textos: Am 7, 12-15; Ef 1, 3-14; Mc 6, 7-13

Ideia principal: A missão de profetizar e evangelizar de todo batizado.

Síntese da mensagem: Até este momento Jesus tinha pregado sozinho, embora com a presença dos apóstolos que tudo presenciavam, ouviam e viam. Agora são eles os que são enviados a colaborar com Ele. E parece que tiveram um êxito relativo. Continua sendo verdade o que o beato Paulo VI dizia: “evangelizar é a graça e a vocação própria da Igreja, a sua identidade mais profunda. Ela existe para evangelizar” (Exortação apostólicaEvangelii nuntiandi, n.14). Ele mesmo chama a esta missão: “a doce e confortadora alegria de evangelizar” (n.80).

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, Deus manda Amós, um leigo, a profetizar (1 leitura). Deus manda sempre profetas, especialmente, nos momentos mais difíceis, quando a fé e a moral estão relaxadas, em tempos de injustiça e pecados públicos. Um profeta sempre é eleito por Deus, apesar dos seus desejos como pessoa, que talvez fossem por outros caminhos. Como responde Amós? A palavra deste profeta Amós é valente, denunciando as injustiças sociais do seu tempo, e a falsidade do culto que realizam no templo nacional de Samaria, Betel. Tanto para o sacerdote Amasias, responsável do templo, como para o rei Jeroboão, Amós resulta incômodo e o intimidam para que deixe a sua terra, Judeia. Amós, com humildade, mas com firmeza, se defende: não está profetizando por próprio gosto, e menos por interesse econômico, como se fosse um profissional: “não sou profeta… mas pastor e cultivador de figos”. É Deus quem o manda. E ele obedece.

Em segundo lugar, agora é Jesus quem envia os seus apóstolos para evangelizar(evangelho), e com eles todos os seus sacerdotes, consagrados e consagradas. Quer treiná-los para quando Ele tiver que deixar esta terra e subir ao céu. O jeito no qual Jesus manda os seus discípulos para anunciar o Evangelho e os conselhos que lhes dá, permitem-nos aprender várias características da autêntica evangelização. Primeiro, trabalhar em equipe, pois isto é melhor que um trabalho pessoal; a evangelização é de toda a comunidade cristã.Segundo, os evangelizadores devem estar livres de preocupações pessoais e materiais. Devem estar sempre acessíveis, independentes e sem ataduras de ganâncias pessoais.Terceiro, a fé e conversão não podem ser impostas, porém propostas; os evangelizadores devem ser pacientes e esperar melhores momentos. E quarto, o chamado à conversão é essencial para um anúncio adequado do Evangelho; conversão que supõe libertação das servidões humanas e das opressões. Fruto da missão? Expulsavam demônios, ungiam com óleo os enfermos e os curavam.

Finalmente, cada um dos leigos também é profeta e evangelizador desde o dia do batismo. Missão está ratificada conscientemente no dia da confirmação. Bem nos recordou a Igreja no concílio Vaticano II no decreto chamado “Apostolicam actuositatem”, isto é, sobre o apostolado dos leigos com estas palavras: “Os cristãos seculares obtêm o direito e a obrigação do apostolado pela sua união com Cristo cabeça. Já que insertados no batismo no Corpo Místico de Cristo, robustecidos pela Confirmação na fortaleza do Espírito Santo, são destinados ao apostolado pelo mesmo Senhor. São consagrados como sacerdócio real e gente santa (Cf. 1 Pe.2,4-10) para oferecer hóstias espirituais por meio de todas as suas obras, e para dar testemunho de Cristo em todas as partes do mundo” (n.3). Mais tarde, São João Paulo II na sua encíclica “Redemptoris missio” voltou a recordar-nos sobre a permanente validez do mandado missionário: “A necessidade de que todos os fiéis compartilhem tal responsabilidade não é só questão de eficácia apostólica, mas de um dever-direito baseado na dignidade batismal, pela qual “os fiéis leigos participam, segundo o modo que lhes é próprio, no triple oficio-sacerdotal, profético e real-de Jesus Cristo” (n.71).

Para refletir: Sou consciente da dignidade que adquiri desde o dia do batismo: evangelizador, isto é, proclamador da mensagem de Cristo para que todos encontrem a salvação? O que me impede ser apóstolo convicto: medo do que vão dizer, preguiça e comodidade, a sensação de que não estou preparado? A quem está chegando a minha palavra: a minha família, aos meus amigos, no trabalho…?

Para rezar: com a canção bem conhecida

Senhor, toma minha vida nova

Antes que a espera

Desgaste anos em mim.

Estou disposto ao que queiras

Não importa o que seja

Tu chamas-me a servir.

Leva-me aonde os homens

Necessitem tuas palavras,

Necessitem força pra viver

Onde falte a esperança,

Onde tudo seja triste

Simplesmente por não saber de Ti.

Te dou meu coração sincero

Para gritar sem medo

Formoso é teu amor.

Senhor, tenho alma missionaria

Conduza-me à terra

Que tenha sede de ti.

E assim eu partirei cantando

Por terras anunciando

A tua beleza Senhor

Terei meus braços sem cansaço

Tua historia em meus lábios

E a força na oração.

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail: arivero@legionaries.org

Share Button
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2014 Apostolado Brasileiro | Unindo Católicos Brasileiros na Grande Boston.
Siga-nos:                   

Facebook