10 Domingo do tempo Comum

Adão, Jesus e os irmãos

As leituras deste domingo trazem três temas objeto de discussão no ambiente religioso. 

  • Por que Adão teve vergonha de aparecer nu diante de Deus no paraíso?
  • Qual é o pecado contra o Espírito Santo que não será perdoado?
  • O evangelista Marcos diz que a Mãe, os irmãos e irmãs de Jesus o procuravam; Maria teve outros filhos? E como dizemos então que permaneceu Sempre Virgem?

” Por onde andas? Perguntou Deus a Adão no Jardim do Éden. – Me escondi porque estou nu”, respondeu Adão. Se Deus o havia criado nu, qual era o problema agora? – Você comeu da fruta proibida? Perguntou Deus que havia tomado forma humana.

A vergonha de Adão não era pela nudez do corpo, mas de mostrar quem ele era: um ser humano orgulhoso que queria ser igual a Deus, um egocêntrico e um desobediente. Ele reconheceu quem era, sentiu vergonha mas procurou justificar-se colocando a culpa na Eva e mesmo em Deus que lhe havia dado a mulher por companheira. – A mulher que tu colocaste ao meu lado me ofereceu o fruto da árvore e eu comi”.  Ali começou a malandragem, ali começaram as desculpas. Adão quis culpar a mulher e a Deus; Eva culpou a serpente. Assim o diabo levou a culpa. Esse é o problema original que existe desde o início, desde a origem da humanidade. O patrão despede o trabalhador, esse chega em casa e trata mal a esposa, a esposa bate no filho por qualquer motivo, o filho bate no gato. O gato leva a culpa. Ou então jogamos a culpa no diabo, no Lúcifer, no Capeta – ” O   Encardido foi mais forte. Satanás levou-o a fazer isso”. Essa teologia não ajuda a reconhecer quem somos e quem é Deus. O mal existe, mas Deus é infinitamente mais forte que todos os diabos juntos, porque eles são apenas criaturas e não criadores.

Nós devemos assumir as nossas responsabilidades de ser como somos sem buscar culpados.  Não vale pensar e dizer: sou assim porque ele…, fiz isso porque ela…, porque quando era criança…”.

 Melhor dizer: Sou assim e fiz isso porque sou orgulhoso, egocêntrico, desobediente como Adão:  perdoe-me Senhor! Liberta-me Senhor!  Cura-me Senhor”.

No evangelho os escribas se revelam como eram. Eram pessoas que usavam a religião para seus interesses. Não eram pessoas de Deus, espirituais. Eles acusaram a Jesus de ser possuído pelo espírito de Satanás, de fazer as obras em nome de Belzebu; não reconheciam o poder de Jesus. Eles recusaram-se ver a santidade de Jesus, esse é o pecado contra o Espírito Santo que não será perdoado. Deus não pode perdoar alguém que não acredita no poder de Deus, inclusive no poder de perdoar. Por isso, tempos passados, assumia-se que o suicídio era o pecado contra o Espírito Santo e não seria perdoado; o suicida seria alguém que não acredita no poder de Deus de perdoar, isto é, que perde a confiança em todos e até em Deus, como Judas. Hoje pela psicologia e psiquiatria entendemos que ninguém pode saber o que passa na mente de um suicida, qual o grau de sua responsabilidade.

E o último tema:  Jesus teve família sim, primos, tios, avós, que em hebraico eram designados com uma única palavra porque a língua hebraica naqueles tempos carecia de recursos. Seria como nós dizer os parentes de Jesus. E esses parentes achavam que Jesus estava ficando louco porque não tinha medo de se meter com os escribas e os chefes do povo, seria como comprar uma briga com o FBI ou com a KGB ou com o Cartel da droga, ou qualquer inteligência secreta de uma Nação. Era entrar no corredor da morte. E foi o que aconteceu.  Jesus mostrou-se como era e falou o que devia falar e foi pregado numa cruz.

E se Maria tivesse tido 12 filhos como teve minha mãe, diminuiria a sua santidade? Qual é o problema daqueles que criticam os católicos?  A Virgindade de Maria se dá também pela pureza e disponibilidade de coração e de alma de Nossa Senhora para cuidar de Jesus e das primeiras Comunidades cristãs, na entrega total e sem reservas. Coração sem amarras. Esteve sempre disposta, sempre atenta às necessidades de Jesus, de Isabel, dos noivos de Canãa, dos discípulos de Jesus. Sempre Virgem e Bem-aventurada de geração em geração.

Resumindo:  1o. Não busquemos a culpa nos outros para justificar nossas atitudes, nossas faltas, e o jeito como somos. Olhemos para dentro de nós.

2o. Cuidado para não pecar contra o Espírito Santo. Você pode perder a confiança em seus pais, amigos, em seu marido ou esposa, mesmo em você mesmo, mas nunca, jamais perca a confiança em Deus e na sua misericórdia.

Todos fazemos parte da maternidade de Jesus. ” Minha mãe e meus irmãos são todos aqueles que fazem a vontade do Pai que está nos céus.” Termina Jesus no Evangelho de hoje. A primeira na lista dos que fizeram a vontade do Pai, certamente é Maria, Mãe de Jesus, sempre Virgem e Bem-Aventurada de geração em geração. Amém.

 

Imagens da internet

Share
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2014 Apostolado Brasileiro | Unindo Católicos Brasileiros na Grande Boston.
Siga-nos:                   

Facebook