amai-vos1Textos: Atos 10, 25-26. 34-35. 44-48; 1 Jo 4, 7-10; Jo 15, 9-17

Ideia principal: Vivência da caridade.

Síntese da mensagem: O mandamento novo que Cristo nos deixou é este: “Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado”. É um imperativo, não uma opção. Não tem limites nem exclusão (1 leitura). E a medida está clara: como Cristo (evangelho).

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, consideremos a caridade e o amor que teve e tem Deus conosco. Características: amor sem fronteira, universal, eterno, infinito, sem arrependimentos e gratuito. Manifestações: criou-nos por amor; conserva-nos por amor: cuida de nós com a sua providência por amor. Atrevo-me a me encarar com este Deus rico em misericórdia, para não cair em ingenuidade e abusarmos assim Dele. Vós, ó Deus, é possível que acrediteis que o vosso amor mexa com o homem e com a mulher destes tempos? No passado mais crente, piedoso e praticante, até vai! Mas não errastes de calendário, com todo respeito?  Eu, como o novo Abraão (cf. Gen 18) volto a perguntar ao Deus infinito no seu amor: Deus, o vosso amor faz feliz o homem e a mulher de hoje, enfrascado noutras coisas mais importantes da vida que em estar olhando para cima? Se isto fosse o paraíso terrenal, até passaria! Se nós, os cidadãos, fossemos anjos, os políticos arcanjos, o governo um querubim e o presidente um serafim, opa! Mas… Pois sim, apesar dessas perguntas quase blasfemas temos que dizer: sim, Deus nos quer ao seu estilo eterno, glorioso, infinito; isto é, como Deus manda; como Deus é. Ninguém pode duvidar do amor de Deus para conosco, as suas criaturas, os seus filhos, os seus amigos.

Em segundo lugar, consideremos a caridade que nos manifestou Cristo Jesus. Características: amor pessoal, apaixonado, misericordioso, paciente. O Filho de Deus por amor deixou o céu serenamente e desceu a esta terra que não o recebeu e o tratou com desprezo. Por amor passou fazendo o bem pelo nosso mundo, pregando, curando, ensinando, derramando a ternura de Deus. Por amor afrontou os sofrimentos sem muita história e sem muito lero-lero durante as horas da sua amarga Paixão. Por amor nos fez estes presentes no dia da Quinta-feira Santa: a Eucaristia, o Sacerdócio e o Mandamento da caridade. E na Sexta-feira Santa abriu o seu lado e nos ofereceu o perdão, a sua Mãe Santíssima, a fundação da Igreja e os sacramentos. Por amor, já ressuscitado, envia-nos no dia de Pentecostes o seu Santo Espírito que nos explicará tudo com paciência e bondade, e nos santificará. E desde o céu, por amor, Ele será o nosso eterno intercessor e mediador diante do Pai para que todos nos salvemos. Cristo foi, é e será a caridade visível do Pai eterno e invisível. Cristo nos marcou a medida da caridade: como Ele nos amou. Por tanto, sem medida. E não deixou uma opção, mas um imperativo: “Amai-vos uns aos outros”.

Finalmente, consideremos a caridade que devemos ter entre nós. Nisto demonstramos que somos cristãos, seguidores de Cristo. Com a caridade e o amor elevaríamos este mundo. Com este amor divino, posto no nosso coração, construiríamos famílias esplêndidas, comunidades unidas. Acabariam as guerras e as fomes e os crimes e os ódios e as vinganças. E haveria paz, alegria, convivência. Não, este amor do qual falamos não é o amor que alguns dos namorados cacarejam desde o pau mais alto do galinheiro das suas ingenuidades. Não é o amor do garotinho que para conseguir as suas balinhas e chocolates diz para o papai que o ama. Não é o amor que sussurram às vezes alguns maridos para conseguir as relações íntimas e sagradas- às vezes sem o verdadeiro amor- com a sua esposa que sim esperava algo mais do isso. Não é o amor do que dá para receber em troca. Não. O amor cristão é outra coisa e tem umas características bem precisas enunciadas por São Paulo na sua primeira carta aos Coríntios no capítulo 13: amor paciente, prestativo, sem inveja nem aparências, sem orgulho nem baixeza, sem ira e sem interesse de por meio; amor que tudo perdoa; que não se alegra com o mal do próximo e sempre desfruta com o triunfo do outro. Amor que tudo aguenta, tudo espera, tudo suporta.

Para refletir: Se for verdade que no final da vida serei julgado por como vivi a caridade com Deus e com os meus irmãos, vou desde agora preparando essa prova final? Como é o meu amor com os irmãos: universal, delicado, paciente, misericordioso? Tenho guetos no meu coração, isto é, grupos fechados onde não podem entrar outras pessoas? A quem não alcançou ainda a minha caridade cristã? Por quê?

Para rezar: Senhor, dilatai o meu coração para que eu possa amar com as mesmas entranhas com que Vós amais. Senhor, perdoai-me tanto egoísmo e fechamento de coração. Senhor, dai-me a vossa caridade e isso me basta.

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail:  arivero@legionaries.org

Fonte: (ZENIT.org)

Share Button
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2014 Apostolado Brasileiro | Unindo Católicos Brasileiros na Grande Boston.
Siga-nos:                   

Facebook